Ironia circular

Ironia circular

Eis aqui um livro destinado a cumprir a sua missão; sabendo nós que a missão de um livro, seja qual for o género literário em que o insiram, é a de provocar polémica, agitar consciências adormecidas, suscitar reflexões; em resumo, dar sentido à mensagem contida nas suas páginas.

Só o título, Ironia Circular, é susceptível de nos indu­zir a uma ampla reflexão sobre o seu profundo significado. A autora do livro dá uma ajuda: “Ironia circular é o gigan­tesco capital que move o futuro da humanidade e a faz girar como uma bola de cristal ou uma roleta, ditando a sorte do mundo actual”.

Deduzo que, para a Norma Pott, o homem não está con­finado somente a um espaço, limitado por vicissitudes e con­dicionalismos vários, mas a um tempo, que é o nosso tempo, e a uma realidade, que é a nossa realidade. E que tempo e que realidade são esses?

Perguntámos-lhe, ou seja, fomos ver ao livro e lá está: “...o grande dilema que apoquenta o século XXI é o terror do terrorismo alastrado à escala mundial… a banalização da morte sensacionalista no ecrã... e os constantes barcos [de emigrantes] afundados que lançam cadáveres flutuantes e sobreviventes de almas, irremediavelmente destruídas”.

Será erro crasso concluir destas palavras que a autora tem, da sociedade actual, uma visão catastrófica e irrever­sível. Nada disso. Para esta, deduzo eu, o importante é o modo como cada um de nós está no mundo dos nossos dias, a maneira como analisamos os acontecimentos que inquie­tam a humanidade e a capacidade que teremos para construir uma sociedade em dignidade e amor.

A mensagem que este livro nos pretende passar – sou eu outra vez a pensar – é muito simples: a vida não cabe dentro de simples esquemas e emoções, assim como o livre curso das ideias, não pode ser sustido por um simples dique que contraria, por regra, a frescura jorrante das águas. Estou com a autora quando escreve: “Amor e água, correntes constantes e omnipresentes na vida do homem”.

Muitas coisas imprevistas aguardam quem ler esta Ironia Circular. Uma delas é a organização dos capítulos que começa com A deriva dos continentes ou a Navegação à deriva, que nos traz à memória aquele prólogo do Evangelho de S. João: “No princípio existiu o Verbo... por Ele é que tudo começou e existiu”. E acaba com uma bela mensagem de esperança – A bom porto.

Excelente, o enquadramento que a Norma faz dos seus poemas com o texto central deste ensaio. O poeta, digo eu, não é um fingidor, como disse o outro, mas sim um liber-tador que tem o condão de saber abrir as portas do futuro: “Se eu escrevesse um sonho, talvez começasse por uma por­ta a abrir...” (Sonho, p. 43).

Este é um livro que vai cumprir a sua missão, porque vai dar que falar, não só pela actualidade do tema, mas também pela originalidade com que as ideias da autora são expostas. Para mim, esta obra, que aqui se apresenta, não constituiu uma surpresa total. Conheço a autora, há já uns anos, e sei dos seus dotes em poesia e prosa. Mas foi uma novidade encontrar um livro tão bem pensado e construído como é o caso de Ironia Circular.

Germano Silva

About the Book
Details
Author:
Genre: Outros
ISBN: 9789898439222
List Price: 17€
Disclosure of Material Connection: Some of the links in the page above are "affiliate links." This means if you click on the link and purchase the item, I will receive an affiliate commission. I am disclosing this in accordance with the Federal Trade Commission's 16 CFR, Part 255: "Guides Concerning the Use of Endorsements and Testimonials in Advertising."