Poesia

Prenda mais, morro por ti

Prenda mais, morro por ti

9,5€
Author:
Genre: Poesia

(...) e então começa a ser tempo de recriar o natal (desta vez este) quer um presépio família tradição (o pai a mãe o filho o jerico a vaca e o mais sem precisão) quer também (não importa a incongruência) um pai natal bonacheirão bota afiambrada barbas brancas rosa nas faces olhos sóis carro puxado a juntas de renas(…)

More info →
EU SEI – JE SAIS

EU SEI – JE SAIS

20,00€
Author:
Genres: Fotografia, Poesia

“EU SEI, Maria Stingl, que a nudez hoje é um elemento muito explorado, porque ao contrário do que se pensa somos preconceituosos com o nu.
Recordo A INSUSTENTÁVEL LEVEZA DO SER e o exercício do espelho de uma das suas personagens, enquanto leio e releio este livro. JE SAIS é feito com o corpo e com o olhar e causa rebuliço.
Não nascemos (os humanos) com roupas. Nascemos revestidos com a pele, que em experiência cultural e não biológica não serve de véu, aquele que nos foi posto naturalmente sobre o corpo.
Mas estar nu pode ser descobrir a pele, essa que alguém pode olhar quebrando a privacidade e a necessidade de exposição.
Maria Stingl fala-nos ou escreve-nos sobre olhar o nu: um olhar que inspeciona, que busca algo sob a roupa: observar a partir de insinuações e imaginar a arte em ficar com roupa e fazer o observador imaginar o corpo nu.
Há uma pele por debaixo da roupa... e sim, nós sabemos, EU SEI.”

Avelina Ferraz

More info →
Arte das Ideias

Arte das Ideias

13€

A arte poética de Pacheco de Miranda Santos radica num tríptico que o tem acompanhado em toda a produção literária desde o primeiro livro, editado em 1978, a que deu o belíssimo título “ Raízes que não morrem”

More info →
Afetos // Da Minha Vida

Afetos // Da Minha Vida

Author:
Genre: Poesia

Avelina Vieira é uma escritora transcendente, fora do comum, invulgar. Escultora e pintora, transporta para os seus livros verdadeiras telas da vida. Pinta com as palavras, constrói esculturas feitas de livros.
Vê o mundo com olhos de aguarelas, com pincéis de genialidade e traços de originalidade.
A realidade transforma-se aos seus olhos e os seus textos revelam-se para o leitor verdadeiros quadros de letras.
E há descrição, há introspeção, há intimidade no que se lê, mas há também musicalidade e um olhar o mundo diferente e arrebatador.
Neste livro de “dois livros” há afetos, textos dedicados a pessoas que marcaram o percurso da autora, e há passagens da sua vida, formas de apresentar o mundo aos outros.

More info →
Na Flor da Velha Idade

Na Flor da Velha Idade

15€
Author:
Genre: Poesia

De Maria Ramajal Jorge, também autora do livro infantil "A Minhoca Bailaroca", editado com a chancela da Editorial Novembro, este livro de Sonetos revela a sensibilidade de uma autora que, à medida que os anos passam, se torna mais sensível e sabedora de como transmitir as suas emoções. "Sou assim… Um ror de anos atrevido Que há-de ser sempre aquilo que tem sido E que nunca por nunca será Zero!"

More info →
A Fronteira do Perpétuo

A Fronteira do Perpétuo

12,00€
Author:
Genre: Poesia

«Em A Fronteira do Perpétuo, encontramos esta (…) consciência de um mundo contemporâneo com os seus excessos: o ruído, a ferocidade do consumismo, a impossibilidade do silêncio. (…)
É, portanto, a percepção do vazio (…) que emerge nestes poemas de Teresa Poças, com a força vulcânica de uma voz jovem que deseja ainda encontrar aquela equação perfeita, aquela página limpa, onde as palavras redimem do vazio e abrem caminho para o perpétuo. O eu, que estabelece relação com eles, nós, vós, tu, parece dividir-se entre o que vê e o que pensa. Divide-se, mas não se fragmenta. O eu revela, como ponto de partida, a consciência de uma espécie de ruído, provocado pelo excesso de conhecimento das sociedades humanas, para, logo de seguida, se proteger, em objectos concretos. Esses pormenores, que sabe ser o que importa, situam-nos em elementos unificadores da dispersão do pensamento: o amor genuíno, longe das peias convencionais; a música que restaura a beleza do mundo e os silêncios plenos de promessas. (…)»
Conceição Brandão in Prefácio

More info →
Sonetos sem Chave e Outras Mágoas

Sonetos sem Chave e Outras Mágoas

12€
Author:
Genre: Poesia

Portentosos, universais, necessários, bem ao jeito de Alberto Caeiro e de Sophia de Mello Breyner, os Sonetos sem Chave e outras Mágoas, de Virgílio Carneiro, vão abalar os Homens que andam correndo na rua, apressados, sem que ninguém os persiga;

More info →
ENTRE O SOL E A LUA

ENTRE O SOL E A LUA

12,00€
Author:
Genre: Poesia

Um hino ao amor!
A morte dá à vida o seu sentido inevitável. Mas é o amor que ilumina
todos os sentidos.
Leitor. Tens no teu regaço uma paleta de sentimentos, uma espécie
de mapa de destinos terrenos e celestes. Nas linhas cruzadas dos caminhos
podes descobrir uma viagem ao centro do andrógino.
(…)
Prepara-te leitor. Ao leres esta singular obra, poética na harmonia
ritmada do conteúdo, fluída na razão e na correnteza da prosa, vais
ter a doce surpresa de veres as palavras sorrirem e chorarem. Vais
escutar os gemidos da dor e do prazer, e vibrarás decerto com a
música do sonho e do êxtase. Vais sentir o cheiro áspero que se desprende
dos desertos da espera, e as manchas de rubor provocadas
pela febre ardente do desejo. Lê para lá da escrita e contempla a pureza
imaculada do amor.

In prefácio
Carlos Mota Cardoso

More info →
Som in/verso

Som in/verso

13€

O livro "Som in/verso", de Maria Virgínia Monteiro é já o nono título de uma das mais marcantes vozes poéticas da actualidade. Sobre ela refere Mário Cláudio no prefácio a esta obra: "Ancorada numa certa tradição lírica, de boa cepa portuguesa, a poesia de Maria Virgínia Monteiro declina os temas da solidão, do amor e da morte, conferindo-lhes o que de mais pessoal resulta da mundividência da autora".

More info →
Confidências Censuradas

Confidências Censuradas

13,00 €
Author:
Genre: Poesia

“Era o mais novo dos prisioneiros. Os guardas torturavam-me. Pensavam que por ser jovem iria confessar o que me pediam, mas como poderia fazê-lo, se não sabia porque estava preso?
Fiquei na prisão durante quatro anos, sozinho, era como estar numa sepultura. Os guardas traziam-me comida, que entregavam através de uma janela minúscula, três vezes por dia. Estava autorizado a ir à casa de banho duas vezes, em 24 horas.
Senti-me completamente sozinho... A Poesia deu-me esperança..”

Tsegay Mehari,
Poeta e jornalista eritreu refugiado na Suécia.

More info →